fbpx

O que é coronavírus?

O coronavírus (CID10) é uma família de vírus causador de infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China. Provoca uma doença de coronavírus (COVID-19).

Os primeiros coronavírus humanos foram os primeiros na primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência de um perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a infectar com o tipo mais comum de vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam os humanos são os coronavírus alfa 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Por que o nome é coronavírus?

Porque essa família de vírus tem um recurso de parecer com uma coroa.

Período de incubação do coronavírus

Período de incubação ou tempo que leva para os primeiros sintomas aparecerem desde uma infecção por coronavírus, que pode ser de 2 a 14 dias.

Período de transmissibilidade do coronavírus

De uma forma geral, a transmissão viral ocorre apenas enquanto persistentes os sintomas É possível a transmissão viral após a resolução dos sintomas, mas a duração do período de transmissão é desconhecida para o coronavírus. Durante o período de incubação e casos assintomáticos não são contagiosos.

Fonte de infecção do coronavírus

A maioria dos coronavírus geralmente infecta apenas uma espécie animal ou pelo menos um pequeno número de espécies aproximadamente relacionadas. Contudo, alguns coronavírus, como o SARS-CoV, podem infectar pessoas e animais. O animal reservatório para o coronavírus (COVID-19) ainda é desconhecido.

 

Quais são os tipos de coronavírus?

Os tipos de coronavírus conhecidos até o momento são:

  • Coronavírus alfa 229E e NL63.
  • Beta coronavírus OC43 e HKU1.
  • SARS-CoV (causador da Síndrome Respiratória Aguda Grave ou SARS).
  • MERS-CoV (causador da Síndrome Respiratória do Oriente Médio ou MERS).
  • SARS-CoV-2: novo tipo de vírus do agente coronavírus, chamado de coronavírus, que surgiu na China em 31 de dezembro de 2019.

Alguns coronavírus podem causar doenças graves com impacto em termos de saúde pública, como a Síndrome da Respiração Aguda Respiratória (SARS), identificada em 2002, e a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS), identificada em 2012.

 

Como é definido um caso de coronavírus suspeito?

Diante da confirmação de caso de coronavírus no Brasil e considerando a dispersão de vírus no mundo. Uma Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, a partir de 01 de março de 2020, passa a vigorar as seguintes definições para a saúde pública nacional.

 

# 1 CASO SUSPEITO DE DOENÇA PELO CORONAVÍRUS 2019 (COVID-19)

Situação 1: febre e pelo menos um sinal ou sintoma respiratório (histórico, dificuldade respiratória, batimento das asas nasais entre outros) E histórico de viagem para a área com transmissão local, de acordo com o OMS, nos últimos 14 dias anteriores à ocorrência dos sinais ou sintomas; OU

Situação 2: febre e pelo menos um sinal ou sintoma respiratório (tensão, dificuldade respiratória, batimento das asas nasais entre outros) E histórico de contato próximo caso suspeito de coronavírus (COVID-19), nos últimos 14 dias anteriores dos sinais ou sintomas *.

# 2 PROVÁVEL RISCO DE DOENÇA PELO CORONAVÍRUS 2019 (COVID-19)

Contato próximo domicílio de caso confirmado laboratorial, que apresenta febre E / OU qualquer sintoma respiratório, dentro de 14 dias após o último contato com o paciente.

# 3 CONFIRMADO DE DOENÇA PELO CORONAVÍRUS 2019 (COVID-19)

A) LABORATORIAL CRITÉRIO: Resultado positivo em RT-PCR, pelo protocolo Charité.

B) CRITÉRIO CLÍNICO-EPIDEMIOLÓGICO: Contato próximo domiciliar de caso confirmado laboratorial, que mostra febre E / OU qualquer sintoma respiratória, dentro de 14 dias após o último contato com o paciente e para quem não foi possível a aplicação laboratorial.

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA LABORATORIAL DE CORONAVÍRUS

Todos os laboratórios públicos ou privados que identificam casos confirmados pela primeira vez, adotam ou examinam o exame específico para SARS-CoV2 (RT-PCR, pelo protocolo Charité), passam pela validação de um dos três laboratórios de referência nacionais, são eles:

1. Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz / RJ) OU

2. Instituto Evandro Chagas da Secretaria de Vigilância em Saúde (IEC / SVS) no Estado do Pará OU

3. Instituto Adolfo Lutz, da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo.

Após a validação da qualidade, o laboratório passará a ser considerado parte da Rede Nacional de Alerta e Resposta às Emergências em Saúde Pública (REDE CIEVS). Os mesmos devem encaminhar a amostra de amostra para o Banco Nacional de Amostras de Coronavírus, para investigação de perfil viral de Coronavírus no território nacional, por meio de um dos três laboratórios públicos acima.

OBSERVAÇÕES GERAIS SOBRE O CORONAVÍRUS

  • A febre pode não estar presente em alguns casos como, por exemplo, em pacientes jovens, idosos, imunossuprimidos ou que em algumas situações podem ter uso de medicamento antitérmico. Nestas situações, uma avaliação clínica deve ser levada em consideração e a decisão deve ser registrada na ficha de notificação.
  • Contato próximo é definido como: estar a aproximadamente dois metros de um paciente com suspeita de caso por novo coronavírus, dentro da mesma sala ou área de atendimento, por um período prolongado, sem uso de equipamento de proteção individual (EPI). O contato próximo pode incluir: cuidar, morar, visitar ou compartilhar uma área ou sala de espera de assistência médica ou, ainda, nos casos de contato direto com fluidos corporativos, enquanto não estiver usando o EPI recomendado.

Como notificar o coronavírus no Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS)?

A infecção humana pelo 2019-nCoV é uma emergência de saúde pública de importância internacional (ESPII), segundo anexo II do Regulamento Sanitário Internacional. Portanto, trata-se de um evento de saúde pública de notificação imediata.

A notificação imediata deve ser realizada pelo meio de comunicação mais rápido disponível, em até 24 horas a partir do conhecimento do caso que envolve a definição de suspeito, como determinar a Portaria de Consolidação Nº 04, anexo V, capítulo I, seção I ( http://j.mp/portariadeconsolidacao4ms ). A Rede CIEVS oferece os seguintes meios para receber notificações de casos suspeitos de novos coronavírus e outros eventos de saúde pública:

Meio telefônico (local)

Segundo uma hierarquia do SUS, se uma secretaria de saúde do estado ou município dispuser de estrutura e transferências para receber as notificações de emergências epidemiológicas e casos suspeitos de novo coronavírus, incluindo as últimas semanas, feriados e período noturno, ou o profissional usado para notificar, preferencialmente, como vigilâncias locais.

Meio telefônico (nacional)

O CIEVS oferece aos profissionais de saúde o serviço de atendimento gratuito 24 horas por dia durante todos os dias da semana, denominado Disque Notifica (0800-644-6645). Por meio deste serviço, o profissional de saúde será habilitado por um técnico habilitado para receber uma notificação e um encaminhamento adequado, protocolos aplicáveis ​​no SUS para uma investigação local, por meio da Rede CIEVS (Rede Nacional de Alerta e Resposta às Emergências em Saúde Pública) )

Meio eletrônico

E-notifica (notifica@saude.gov.br): notificação por meio do correio eletrônico do CIEVS.meio da Rede CIEVS (Rede Nacional de Alerta e Resposta às Emergências em Saúde Pública)

FormSUScap (https://redcap.saude.gov.br):  esta plataforma é uma versão para celular do FormSUS. Implantado em 2019, o FormSUScap é uma solução mais segura, versátil e flexível para coleta padronizada de informações. A plataforma disponível para aplicativos para dispositivos móveis e formulários é responsiva, ou seja, adaptável para a tela do equipamento. Esta solução não é um sistema de informação.

FormSUScap 2019-nCoV (http://bit.ly/2019-ncov):  Este formulário deve ser usado para o envio de informações padronizadas sobre casos suspeitos de novos coronavírus por serviços públicos e privados. Todas as informações inseridas serão disponibilizadas em tempo real para a Rede CIEVS e serão responsáveis ​​por encaminhar para a autoridade local responsável.

Por determinação da Organização Mundial da Saúde, os países devem enviar informações padronizadas sobre casos suspeitos de ocorram no seu território.

A inexistência de sistema de informação que contemple essas informações, ou o Ministério da Saúde recomenda que todos os casos notificados para Estados, Distrito Federal e Municípios, sejam transcritos para esse formulário em até 24 horas a partir do conhecimento do caso. Caso deseje, ao final da submissão, ou o formulário permita que seja usado um arquivo eletrônico e possa ser salvo pelo usuário.

CID 10 -  Infecção humana pelo novo Coronavírus (2019-nCoV): o código de registro de casos, conforme as configurações, será o U07.1 - Infecção pelo novo Coronavírus (2019-nCoV).

Ao preencher o formulário eletrônico de notificação, baixar ou PDF a ficha de notificação e enviar eletronicamente para a autoridade local, caso a notificação seja de unidade privada ou pública.

 

Quais cuidados os profissionais de saúde devem ter entrado em contato com um caso de coronavírus?

Profissionais de saúde devem usar medidas de precaução padrão, contato e gotículas, e algumas situações de precaução por aerossóis.

As orientações, conforme a etapa de atendimento, estão descritas no   Boletim Epidemiológico 03 , no tópico Medidas de controle de controle e de atendimento para casos suspeitos ou confirmados.

Como o coronavírus é transmitido?

Como as investigações sobre formas de transmissão de vírus da doença ainda estão em andamento, mas a disseminação de pessoa para pessoa, ou seja, uma contaminação por gotículas respiratórias ou contato, está ocorrendo. Qualquer pessoa que tenha contato próximo (cerca de 1m) com alguém com sintomas respiratórios está em risco de ser exposta à infecção.

É importante observar que a disseminação de pessoa para pessoa pode ocorrer de forma continuada.

Alguns vírus são altamente contagiosos (enquanto sarampo), enquanto outros são menos. Ainda não está claro com facilidade ou coronavírus se espalha de pessoa para pessoa.

Apesar disso, a transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como:

  • gotículas de saliva;
  • espirro;
  • Tosse;
  • catarro;
  • contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão;
  • contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Os coronavírus apresentam uma transmissão menos intensa que o vírus da queixa.

O período médio de incubação por vírus da doença é de 5 dias, com intervalos que chegam a 12 dias, período em que os primeiros sintomas levam a aparecer desde uma infecção.

O Período de transmissão dos pacientes infectados pelo SARSCoV é em média 7 dias após o início dos sintomas. No entanto, os dados preliminares do coronavírus ( SARS-CoV-2 ) sugerem que a transmissão pode ocorrer mesmo sem a ocorrência de sinais e sintomas . Até o momento, não há informações disponíveis sobre o número de dias anteriores no início dos sinais e sintomas de uma pessoa infectada transmitir o vírus.

Alguém pode espalhar o vírus sem estar doente?

  • As pessoas são mais contagiosas quando são mais sintomáticas.
  • Alguma propagação pode ser possível antes que as pessoas mostrem sintomas; houve relatos de que isso ocorreu com esse novo coronavírus, mas essa não é a principal forma de propagação do vírus.

Como é feito o diagnóstico do coronavírus?

O diagnóstico do coronavírus é feito com uma coleta de materiais respiratórios (aspiração de vias aéreas ou indução de escarro). É necessária uma coleta de duas dimensões na suspeita de coronavírus.

As duas dimensões serão encaminhadas com urgência para o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen).

Uma das amostras será enviada para o Centro Nacional de Influenza (NIC) e outra amostra será enviada para análise metagenômica.

Para confirmar uma doença é necessário realizar exames de biologia molecular que detectam o RNA viral. O diagnóstico do coronavírus é feito com uma coleta de amostra, que é sempre indicado que ocorre a identificação do caso suspeito. 

Oriente a coleta de aspirador de pó (ANF) ou cotonetes combinados (nasal / oral) ou também amostra de secreção respiratória inferior (escarro ou lavado traqueal ou lavado bronca alveolar).

Os casos graves devem ser encaminhados para um Hospital de Referência para isolamento e tratamento. Os casos leves devem ser acompanhados pela Atenção Primária em Saúde (APS) e instituídas medidas de precaução domiciliar.

 Como é feito o tratamento do coronavírus?

Não existe tratamento específico para infecções causadas por coronavírus humano. Nenhum caso de coronavírus é indicado como descanso e consumo de água em excesso, além de algumas medidas adotadas para aliviar os sintomas, conforme cada caso, como, por exemplo:

  • Uso de medicamentos para dor e febre (antitérmicos e analgésicos).
  • Uso de umidificador no quarto ou banho quente para auxiliar no alívio da dor de cabeça e pescoço.

Assim que os primeiros sintomas cirúrgicos, é fundamental procurar ajuda médica imediata para confirmar o diagnóstico e iniciar o tratamento.

Todos os pacientes que receberam alta durante os primeiros 07 dias do início do quadro (qualquer sintoma independente de febre), devem ser alertados para uma possível piora tardia do quadro clínico e sinais de alerta de complicações como: exposição de febre inicial sem febre), aumento ou reaparecimento de febre ou sinais respiratórios, taquicardia (aumento dos batimentos cardíacos), dor pleurítica (dor no peito), fadiga (cansaço) e dispnéia (falta de ar).

Se você viajou para China, Itália, Irã, EUA, Coréia do Sul e Europa nos últimos 14 dias e ficou doente com febre, dificuldade respiratória, congestionamento nasal e / ou diarréia, deve procurar atendimento médico e informações com histórico de viagens recentes e seus sintomas.

 

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta os cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Evite contato próximo com pessoas doentes.
  • Evite tocar seus olhos, nariz e boca.
  • Fique em casa quando estiver doente.
  • Compre sua tosse ou espirre com um lenço de papel e jogue ou lixo no lixo.
  • Limpe e desinfete os objetos e superfícies tocadas com freqüência usando um spray ou um fundo de limpeza doméstica.
  • Siga as recomendações para usar uma máscara.
    • Não é recomendado o uso de máscaras faciais para proteger como doenças respiratórias, incluindo o COVID-19.
    • Como máscaras faciais devem ser usadas por pessoas que apresentam sintomas do COVID-19 para ajudar a impedir a propagação de doenças em outras pessoas. O uso de máscaras faciais também é crucial para profissionais de saúde e pessoas que cuidam de alguém nos locais próximos (em casa ou em um estabelecimento de saúde).
  • Lavar como mãos selecionadas com água e sabão por menos de 20 segundos, principalmente depois do banheiro; antes de comer; e depois de associar o nariz, atirar ou espirrar.
    • Se água e sabão não usarem prontamente disponíveis, use um desinfetante para mãos com base em álcool com menos de 60% de álcool. Sempre lave as mãos com água e sabão se as mãos estiverem visivelmente sujas.

Profissionais de saúde devem usar medidas de precaução padrão, contato e gotículas (máscara cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).

Para realizar procedimentos que geram aerossolização de secreções respiratórias como intubação, respiração de vias aéreas ou indução de escarro, devem ser usadas precauções por aerossóis, com o uso da máscara N95.

Atualmente, não há vacina para prevenir a doença de coronavírus 2019 (COVID-19). A melhor maneira de prevenir doenças é evitar ser exposto a esse vírus. No entanto, como lembrado, recomenda ações preventivas necessárias para ajudar a prevenir a propagação de doenças respiratórias.

Orientação provisória para implementação de cuidados domiciliares de pessoas que não usam hospitalização para novo coronavírus de 2019 (2019-nCoV)

Esta orientação provisória destina-se a funcionários dos departamentos de saúde locais e estaduais, profissionais de controle e prevenção de doenças e profissionais de saúde que estão coordenando o atendimento domiciliar e o isolamento  de pessoas com infecção confirmada ou suspeita por 2019-nCoV, incluindo pessoas sob investigação (consulte  Critérios para ECTS Avaliação de pessoas sob investigação (PUI) para 2019-nCoV  ). Isso inclui pacientes que usam ambiente ambulatorial e que não recebem hospitalização (ou sejam, pacientes clinicamente estáveis ​​e que podem receber atendimento em casa) ou pacientes que recebem alta após uma hospitalização com infecção confirmada por 2019-nCoV.

Em geral, como as pessoas devem seguir as precauções de isolamento permitido na transmissão ajustável até o risco de transmissão secundária seja baixo. As informações atuais sobre 2019-nCoV são limitadas, portanto, como precauções em casa devem ser conservadas com base em requisitos gerais para outros coronavírus, como a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS), e podem durar até 14 dias.

Impedindo a disseminação de 2019-nCoV em comunidades e comunidades:   orientações provisórias que podem ajudar a impedir a propagação de 2019-nCoV em pessoas em comunidades e comunidades.

Este documento não aplica pacientes em ambientes de saúde. Para precauções  provisórias de  controle e prevenção de infecções em saúde, consulte Recomendações  provisórias de controle e prevenção de infecções para pacientes com alergias ou sob investigação de novos coronavírus de 2019 (2019-NCoV) em um ambiente de assistência médica.

Considerar uma adequação do ambiente residencial para atendimento domiciliar

Em consulta com uma equipe do departamento de saúde estadual ou local, um profissional de saúde deve avaliar o ambiente residencial apropriado para atendimento domiciliar. Considerações sobre cuidados em casa empregada se:

  • O paciente é estável ou suficiente para receber atendimento em casa.
  • Cuidadores apropriados estão disponíveis em casa.
  • Há um quarto separado onde o paciente pode recuperar sem compartilhar espaço imediato com outras pessoas.
  • Recursos para acessar alimentos e outras necessidades disponíveis.
  • Os pacientes e outros membros da família têm acesso a equipamentos de proteção individual (sem mínimo, luvas e máscaras) e são capazes de seguir como precauções recomendadas como parte do cuidado ou isolamento doméstico (por exemplo, higiene respiratória e etiqueta da tosse) mãos);
  • Há membros da família que podem estar sujeitos a risco aumentado de complicações causadas por infecção por 2019-nCoV (.eg, pessoas> 65 anos, crianças pequenas, mulheres grávidas, pessoas imunocomprometidas ou com problemas crônicos de coração, pulmão ou aro).

Orientar como precauções implementadas durante o atendimento domiciliar

Um profissional de saúde deve

  • Fornecer uma orientação provisória para impedir o novo coronavírus 2019 (2019-nCoV) pode espalhar para outros casos em lares e comunidades para o paciente, cuidador e membros da família; 
  • Entre em contato com o departamento de saúde estadual ou local para discutir os requisitos para essas medidas descontinuadas.

 

Fonte: https://www.saude.gov.br/saude-de-az/coronavirus, https://www.cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/about/index.html, https: // www. cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/hcp/index.html

Coronavírus – COVID19